terça-feira, 23 de agosto de 2016

Entidades de mobilidade ativa criticam candidatos no debate da Band


As entidades Ciclocidade e Cidadeapé emitiram nota à imprensa na tarde desta terça-feira atacando a superficialidade e a imprecisão da discussão sobre mobilidade no debate entre candidatos a prefeito de SP, na TV Bandeirantes, segunda à noite.

Veja a íntegra da nota abaixo:

"A Ciclocidade e a Cidadeapé, que mobilizam um Grupo de Trabalho para acompanhar as eleições municipais deste ano do ponto de vista da mobilidade ativa, avaliam que o primeiro debate entre candidatos à Prefeitura de São Paulo foi superficial e marcado pelo uso de dados equivocados. O evento realizado pela Band na noite desta segunda-feira (22 de agosto) deixou evidente o desconhecimento de vários dos postulantes ao cargo sobre políticas de mobilidade ativa na cidade. Apesar de os candidatos terem tocado em pontos importantes para a mobilidade urbana, faltaram posições e compromissos claros.

"Entre os temas relativos à mobilidade em geral, destacou-se a questão da inspeção veicular, retomada em diversos momentos. "Quando citaram a inspeção veicular, imaginamos que o debate aprofundaria para a discussão sobre políticas sérias de desestímulo ao uso do carro na cidade. Ledo engano: a discussão ficou na superficialidade de debater se a taxa seria cobrada ou não", comentou Daniel Guth, diretor geral da Ciclocidade.

"A fiscalização de veículos motorizados, assim como o controle e redução de emissões de tais veículos, é uma questão extremamente importante. No entanto, o custo dessa operação não pode recair sobre o Estado. O Estado pagar significa dizer que a conta será dividida por toda a população da cidade, sendo que a maioria dos moradores de São Paulo não usa carro. O raciocínio deve ser justamente o oposto: para reduzir a emissão de poluentes, precisamos urgentemente reduzir o uso dos veículos motorizados particulares, não apenas fiscalizar sua emissão de poluentes. A Ciclocidade e Cidadeapé defendem também ser mais do que necessário incentivar novos meios de transporte coletivo na cidade, colocar metas claras para substituição da frota de transporte coletivo para combustíveis limpos, assim como os modos ativos de deslocamento.

"Um dos poucos compromissos assumidos durante o debate foi feito pela candidata Marta Suplicy (PMDB), que prometeu a inauguração de seis novos corredores de ônibus, caso seja eleita. Avaliamos positivamente este compromisso específico da candidata que, no entanto, afirmou na sequência que as ciclovias não seriam prioridade em um eventual governo seu, o que consideramos um erro. A infraestrutura cicloviária é garantida por lei no Plano Diretor Estratégico (PDE), parte do sistema de mobilidade de São Paulo. O Plano Municipal de Mobilidade inclui a infraestrutura cicloviária como parte fundamental do sistema de mobilidade da cidade. "A política nacional diz que a prioridade para os investimentos é dos modos coletivos e dos modos ativos de deslocamento, e Marta, como senadora, deveria saber. Ela não pode contrariar a legislação e dizer que ciclovias e ciclofaixas não são prioridade", afirma Rafael Calabria, articulador da Cidadeapé.

"Outro tema tratado no debate foi a redução de mortes no trânsito. No entanto, os candidatos apresentaram dados confusos e sem origem definida. De acordo com o último relatório "Acidentes de trânsito fatais em São Paulo", da CET, o número total de mortes passou de 1.249 em 2014 para 992 em 2015, o que representa uma redução de 20%. Consideramos que isso é reflexo direto da redução de velocidade nas marginais e do investimento em ciclovias. Além disso, refutamos fortemente a ideia de que a redução de mortes no trânsito possa ter relação com a crise econômica brasileira, pois se fosse assim, a redução nas mortes deveria ter ocorrido em todas as capitais. Importante lembrar que, de acordo com a Organização Mundial de Saúde, a cada 1 km/h reduzido na velocidade média, há uma queda de 2% no número de acidentes, e que a redução no número de mortes no trânsito é meta da ONU para a década de 2010 a 2020.

"Para a Ciclocidade e Cidadeapé, não existe "indústria de multas", expressão mencionada diversas vezes durante o debate. O que existe é a "indústria de infrações", ou seja, o desrespeito generalizado às regras de trânsito. Segundo estudo da CET, uma parcela ínfima (uma a cada 4.416) das infrações cometidas por condutores de automóveis são, de fato, autuadas. O que nos leva a concluir que aumentar a fiscalização é uma medida fundamental para a humanização do trânsito da cidade.

"Ana Carolina Nunes, articuladora da Cidadeapé, destacou que a questão do pedestre foi totalmente ignorada no debate. "Dois candidatos falaram en passant sobre as questões das calçadas, mas sem colocar metas claras." Marta e João Doria (PSDB) mencionaram a Secretaria de Pessoas com Deficiência, e Doria comentou que seu pai foi cadeirante por oito anos. "Mesmo assim, ele não chegou nem a citar as péssimas condições de acessibilidade na cidade. Isso mostra que estamos perdendo uma grande oportunidade de avançar em questões que ninguém quer falar durante as eleições", avaliou Ana.

"A Ciclocidade e Cidadeapé acreditam que a participação dos candidatos Luiza Erundina (Psol) e Ricardo Young (Rede) poderia ter qualificado o debate. Fazemos parte de um grupo de organizações que colocou no ar, na semana passada, o site Mobilidade Ativa, que pontua declarações e propostas dos candidatos sobre o tema. Nesta segunda-feira, Erundina e Young encontravam-se em segundo e terceiro lugares, por apresentarem propostas até o momento parcialmente alinhadas com a agenda da mobilidade ativa. Acompanhe o ranking acessando mobilidadeativa.org.br."

Aplicativo SEM CARRO ganha o prêmio WSA Mobile Brasil 2016. Confira a lista dos ganhadores

O prêmio global, que teve o apoio do Digitalks e Grupo Meio & Mensagem, destaca os melhores e mais inovadores conteúdos digitais nacionais. Leia abaixo comunicado do prêmio:

Tela do app SEM CARRO. Para instalar o aplicativo em
seu smartphone, siga as instruções:

Para baixar o app SEM CARRO para iOS (iPhones e iPads)
na AppStore, clique aqui.

Se o seu telefone usa o sistema Android,
na Google Play Store, clique aqui.


***

"Os brasileiros acabam de conhecer os vencedores do Prêmio WSA Brasil 2016. A entrega da premiação aconteceu na noite da quarta-feira, dia 10, durante o Expo Fórum de Marketing Digital, na Fecomercio.

"Com a denominação WSA-Mobile, como acontece a cada dois anos, o prêmio contemplou 8 categorias e mais uma especial, com destaque aos melhores e mais inovadores conteúdos e aplicativos para celulares e dispositivos móveis nacionais. Os vencedores da etapa brasileira e suas respectivas categorias são:

- Environment & Green Energy: Sem Carro
- Government & Citizen Engagement: Cidade Legal  
- Health & Well Being: Nearbee, uma vida mais feliz em comunidade!
- Learning & Education: ConheciGame
- Culture & Tourism: Som dos Sinos
- Smart Settlements & Urbanization: Zumpy - Caronas de verdade
- Business & Commerce: Cupong
- Inclusion & Empowerment: guiaderodas
- Categoria especial Acessibilidade Digital: guiaderodas

"Todos os vencedores nacionais concorrerão à premiação internacional. Até o mês de novembro, os inscritos passarão pelo júri internacional online, que selecionará uma shortlist com os melhores trabalhos de todo mundo. O Grande Júri Global se reunirá na sequência, ainda em local não definido, e escolherá os vencedores globais de cada categoria. A premiação, juntamente com o WSA-Mobile Global Congress, está programada para fevereiro de 2017, em Abu Dhabi.

"O prêmio WSA foi entregue por profissionais considerados referência do setor digital no Brasil, como Pyr Marcondes, Diretor Executivo do Grupo Meio & Mensagem, Flavio Horta, Diretor do Digitalks, Cid Torquato, Diretor do Prêmio WSA e Secretário Adjunto da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Alexandre Gibotti, Diretor Executivo da ABRADi, Tiago Baeta, Diretor do iMasters, Edson Mackeenzy, Country Manager da Code Follows, Geraldo Santos, Diretor da Startupi, e Janaina Camargo, COO da Ouvi.


"O WSA foi criado em 2003, em Genebra, no âmbito da Cúpula das Nações Unidas sobre a Sociedade da Informação (WSIS - World Summit on the Information Society) e envolve mais de 170 países. Entre os apoiadores do WSA no Brasil estão Digitalks, Grupo Meio & Mensagem, Governo do Estado de São Paulo, Ouvi e Soyuz. Mais informações sobre o prêmio no site premiowsa.com.br. "


Prefeitura instala mais 38 paraciclos na cidade de São Paulo

Com novas implantações, usuários já contam com 1.328 equipamentos públicos nas regiões da cidade

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) instalou mais 38 paraciclos em 25 lugares de São Paulo entre os dias 14 e 20 de agosto.

Leia o comunicado da empresa de trânsito:

"A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) implantou na última semana, entre 14 a 20 de agosto, mais 38 paraciclos em 25 lugares da cidade. Paraciclos são suportes para a fixação de bicicletas, que podem ser instalados em áreas públicas ou privadas, como parte integrante do Sistema Cicloviário.

 "Cumprindo o estabelecido pela Política Nacional de Mobilidade Urbana, a Prefeitura de São Paulo está implantando uma Rede Estrutural Cicloviária, visando favorecer a mobilidade urbana e priorizar o transporte individual não motorizado.

"A instalação de paraciclos é parte da montagem desta estrutura. Além de estimular o uso da bicicleta como meio de transporte sustentável, os paraciclos em diversos pontos da cidade vêm atender à crescente demanda deste modal.

"Esta ação visa promover conforto e segurança ao ciclista, oferecendo infraestrutura adequada para estacionar sua bicicleta ao atingir o seu destino final.

"Desde fevereiro de 2015, já foram instalados 1.328 paraciclos pela cidade, distribuídos da seguinte forma:

  •  Em vias públicas = 1.124 paraciclos em 819 locais;
  •  Em bibliotecas municipais e centros culturais = 113 paraciclos em 36 locais;
  • Em prédios da CET = 91 paraciclos em 17 locais.


Na última semana, os novos 38 equipamentos foram instalados nos seguintes endereços:

ÍNDICE
 LOCALIZAÇÃO
 ENDEREÇO
REFERÊNCIA
NÚMERO DE PARACICLOS
1
Via Pública
Avenida Prefeito
Celestino Bourroul, 939
Agência Itaú - Limão
1


2


Via Pública
Avenida Guilherme Cotching, 1.579
Agência Itaú - Vila Maria
1
3
Via Pública
Rua Maria Cândida, 1.083
Agência Itaú - Vila Guilherme
2


4


Via Pública


Avenida Nossa Senhora do Loreto, 822
Agência Itaú - Vila Medeiros
2
5
Via Pública


Avenida Guapira, 2.677
Agência Itaú - Jaçanã
1
6
Via Pública


Rua Maria Amália Lopes Azevedo, 857
Agência Itaú - Horto Florestal
2
7
Via Pública

Rua Doutor Zuquim, 1.824
Agência Itaú - Doutor Zuquim
2
8
Via Pública


Rua Conselheiro Moreira Barros, 409
Agência Itaú - Moreira Barros
1
9
Via Pública


Avenida Santa Marina, 2.367
Agência Itaú - N. Senhora do Ó
2
10
Via Pública


Avenida Itaberaba, 1.942
Agência Itaú - Avenida Itaberaba
2
11
Via Pública


Avenida Paula Ferreira, 2.981
Agência Itaú - Pirituba
2
12
Via Pública


Avenida Parada Pinto, 100
Ag. Itaú - Vila Nova Cachoeirinha
2
13
Via Pública


Av. Professor Celestino Bourroul
esquina R. Coronel de Azevedo
Oposto Ao Banco Itaú
1
14
Via Pública


Rua Maria Marcolina, 591

Agência Itaú - Rua Oriente
1
15
Via Pública


Rua da Graça, 88 (Parte)
Agência Itaú - Rua da Graça
2
16
Via Pública
Praça Antônio Caruso


Cruzamento com R. Doutor 
Pedro Severiano


1
17
Via Pública
Largo do Cambuci, 141
SP Largo Do Cambuci
1

18

Via Pública

Rua Vergueiro, 6.385

SP Vergueiro
2

19

Via Pública

Avenida do Cursino, 1.490

SP Jardim da Saúde
1

20

Via Pública

Avenida Aclimação, 651

SP Aclimação
2

21

Via Pública


Praça Wallace Alves de Siqueira

Ao lado da banca Autódromo
1

22

Via Pública

Avenida Interlagos


Oposto à Praça Enzo Ferrari
(próximo à entrada do autódromo)
2


23


Via Pública


Avenida Jangadeiro, 735 B


Em frente à Magason Construtora
1

24

Via Pública

Avenida Jangadeiro, 400

Em frente à lanchonete
1


25


Via Pública


Avenida Jacinto Tulio


Oposto ao nº 605 (ao lado da
banca de revista Jangadeiro)
2




"A cidade de São Paulo conta hoje com 437 km de vias destinadas aos ciclistas. Do total da infraestrutura cicloviária existente na cidade, a atual gestão inaugurou 338,7 km desde junho de 2014. Antes, São Paulo possuía 68 km de ciclovias e 30,3 km de ciclorrotas."